CORPOREIDADE

CORPOREIDADE

corpo
razão e emoção
dor e amor
temor e rancor
fechado em seu casulo
segue em desatino
seu caminho
desalinhado para um lado
as vezes amarrado
em sua corda bamba
no dançar do samba
dança, canta e encanta
caminha na praia nada no mar da vida
pela correnteza incontida
pela incerteza vivida
num momento insistindo
num continuar resistindo
como num jogo sem fim
pelo instinto
ao encontro
ao encanto
com seu riso contido
com o seu canto
com sua risada escancarada
nos olhos o aguar do pranto
o desencanto
na garganta o engasgar da fala
se cala, se instala
o desejo retido
do sonho incontindo
da alegria de ser,
apenas SER…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *